Feliz dia dos PAIS e das PÃES

Patrik Jhoner

Hoje, segundo domingo do mês de agosto, é uma data muito especial em que se comemora com festividade o dia do patriarca da família. Dele que tem postura de durão, mas muitas vezes não resiste a um “eu te amo” e já se derrete todo. Dele que é o exemplo, o herói, enfim, o cara que é o cara.

Contudo, nem todos tem a sorte (quase sempre sorte) de se ter um pai. Com o aumento do número de famílias monoparentais femininas pelo mundo, principalmente no Brasil, encontramos muitas famílias em que elas, as mulheres, são as chefes do lar e os filhos acabam tendo apenas a mãe como sua referência.
Estas por sua vez, com o objetivo de preencher um possível vazio na vida do ou dos membros de sua prole acaba fazendo o papel duplo de pai e mãe e ficam conhecidas popularmente como “pães”.
Anos atrás era difícil lhe dar com o título de mãe solteira, mas os obstáculos atuais são outros. Para criar um filho sozinha e ainda ter que se sustentar, elas encaram jornadas de trabalho exploradoras e exaustivas, a mulher quase que literalmente tem que se dividir em “dez”. É por isso que geralmente as “pães” são mulheres trabalhadoras, batalhadoras e guerreiras.
Eu não tenho a hipocrisia de dizer que não sinto falta de um pai. Um referencial masculino, um amigo, um herói, ou simplesmente: PAI. De fato faz falta sim. Contudo tenho o orgulho de dizer que amo minha “pãe” e que ela é tudo pra mim. Por isso:

Feliz dias dos PAIS! E feliz dia das PÃES!

Até a próxima galera!